sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

On 01:31 by Piadas em Familia in    No comments

1-Um senhor de 80 anos entra na sala de espera superlotada de um consultório médico.
Quando ele se aproxima da mesa da recepção, a mocinha indaga:
 —Pois não, senhor, qual é o seu problema?
 —Bem, tem alguma coisa errada com meu pênis...
A recepcionista se irrita:
 —O senhor não devia dizer uma coisa dessas numa sala de espera tão cheia!
 —Por quê não? Você me perguntou o que havia de errado e eu respondi!
 —Mas desse jeito o senhor causa embaraço aos presentes! O senhor devia ter dito que está com um problema na orelha ou qualquer coisa assim e depois explicar para o médico, lá dentro do consultório.
O homem se retira da sala, espera alguns instantes e entra de novo.
A recepcionista sorri e pergunta:
 —Qual é o seu problema?
 —Tem alguma coisa errada com a minha orelha...
A recepcionista faz um aceno de aprovação e sorri triunfante, saboreando o momento:
 —E o que está errado com a sua orelha, senhor?
 —Não consigo mijar!

2-O veterinário precisou se consultar com um médico. Assim que chegou, após dizer sua profissão, foi logo falando:
 —Eu, quando trato meus pacientes, sou obrigado a descobrir a doença sem fazer nenhuma pergunta. Experimente fazer o mesmo comigo.
O médico concordou e depois de um exame cuidadoso, sentou-se para redigir a receita, após o que falou ao veterinário:
 —Tome esses remédios, se dentro de uma semana o senhor não tiver melhorado, sinto muito, mas vamos ter que sacrifica-lo.

3-Doutor, estou sofrendo demais com estas constantes crises de hemorroidas. Fico privado das melhores iguarias da comida baiana, que adoro. Qualquer dose de whisky me faz mal. Nem caipirinha posso tomar. Estou desesperado.
Apos o exame do medico:
 —Seu caso realmente e bem grave. Não ha nenhuma esperança de resolve-lo com medicação. Só uma cirurgia de transplante resolveria em definitivo. O senhor estaria disposto a tentar? Existem 99% de chance de cura total.
 —Faço qualquer coisa, doutor. Podemos fazer hoje mesmo?
 —Hoje não. O transplante necessita de um doador jovem, pois de nada adiantaria o senhor receber um órgão já cansado e sujeito ao aparecimento das hemorroidas. Alem disto, o doador não pode ser uma pessoa viva, por motivos óbvios. Mas não se preocupe. Trabalho em um hospital onde eventualmente falecem jovens vitimas de acidentes e assim que eu encontrar um ânus em condições marco o transplante.
Alguns dias depois, nosso amigo foi chamado pelo medico e submetido ao transplante.
Três meses depois, apos um exame de controle de transplante.
 —Acho que posso lhe dar alta. O resultado me parece magnífico. O senhor esta satisfeito?
 —Ah doutor, que maravilha! A vida agora tem significado para mim. Tenho comido em restaurantes baianos quase todos os dias, muito vatapá, muita pimenta, muita cachaça, tenho mesmo abusado. Nunca mais tive qualquer problema de hemorroidas. O rabo esta novinho. Beleza pura!
 —Mas, hummm, o senhor não esta estranhando nada? Esta tudo 100% mesmo?
 —Bem, tem uma coisinha acontecendo, nem sei se vale a pena comentar.
 —Fale.
 —Bem, e que de vez em quando me da uma agonia, uma coceirinha estranha, uma vontade de dar...
 —Eu tinha medo disto. Não quis lhe dizer antes, mas depois que fiz o transplante, soube que o rapaz que morreu naquele acidente e de quem aproveitamos o ânus era gay. Não pensei contudo que o fato iria ter qualquer influencia. Mas diga-me uma coisa, o que o senhor faz quando acontece essa coisa estranha?
 —Ora doutor, já que o rabo não e meu mesmo, eu dou, né?

4-O sujeito está com uma tremenda prisão de ventre e vai comprar remédio na farmácia.
 —Tem aqui um remédio que é tiro e queda — diz o farmacêutico. — Posso preparar uma dose para o senhor, mas vou lembrando logo: ele é altamente eficaz.
 —É esse que eu quero — diz o doente.
 —Qual a distância até a sua casa?
 —São uns 500 metros de distância, mais ou menos.
 —Mais ou menos, não. Tenho que saber a distância exata, porque se a dosagem for maior que o necessário, já sabe o que acontece, né?
 —Bom, daqui até a calçada são 10 metros, a rua tem 15 metros de largura, somando dá 25 metros. Mais...
O sujeito faz as contas e finaliza:
 —São 550 metros até o banheiro lá de casa.
 —Muito bem. São 55 gotas.
O farmacêutico prepara uma dose, o sujeito bebe e vai embora. No outro dia, ele volta à farmácia.
 —E aí? como é que foi? — pergunta o farmacêutico.
 —Errei por 42 metros e meio.

5-No hospital, o médico está assinando a alta do paciente. Vai assinando e falando:
 —A partir de hoje, nada de mulheres, nada de uísque nem de vinhos importados. Nada de restaurantes caros, nada de carro novo, nada de viagens de férias...
 —Até eu ficar totalmente curado, doutor?
 —Não, não. É só até você terminar de pagar o que me deve.

0 comentários:

Postar um comentário